Compartilhe

(Imprensa Câmara de Camboriú) Mais uma vez o investimento de R$ 320 mil, feito pela Prefeitura de Camboriú durante os dias do Gideões gerou polêmica na Câmara de Vereadores. Na sessão desta terça-feira (03), o Projeto de Lei nº17/2018, foi aprovado pela maioria da Casa, mas ainda terá que passar por segunda votação.

O Projeto que autoriza o Executivo a custear gastos de infraestrutura para a realização do Congresso, anualmente é encaminhado para a aprovação do Legislativo, porém, gera polêmica por não especificar quais os itens que serão contratados para o evento.

A vereadora Inalda do Carmo (DEM) repetiu o discurso do último ano, afirmando que espera que a Prefeitura encaminhe a lista detalhada dos gastos com o evento. “Ano passado foi usado apenas R$200mil, então por que não liberar os itens que serão comprados? É impossível que não saibam o que será necessário”, argumentou.

Josué Pereira (PMDB), vereador da base e principal representante da Igreja Assembleia de Deus na Câmara, concordou com a solicitação, alegando que este pedido é antigo e já deveria ter sido acatado pelo Executivo.

Os vereadores ressaltaram que não são contra o evento, mas sim, contra a forma que a Prefeitura conduz esse investimento. O vereador Adriano Gervásio (PSDB) recordou que solicitou prestações de conta sobre o investimento feito pelo Governo do estado e também da prefeitura, e não foi respondido. “O que queremos é transparência em como o dinheiro da população esta sendo utilizado”, concluiu.